Ex-procurador da República e ex-coordenador nacional da operação Lava Jato, Deltan Dallagnol resolveu partir para o ataque contra um dos ministros do STF que mais fez críticas ao trabalho dos agentes federais na força-tarefa, Gilmar Mendes. Em uma entrevista publicada esta semana, ele afirmou que o magistrado deveria “trocar a toga pelo voto”.

Para Dallagnol, Gilmar Mendes possui “numerosos comportamentos inadequados”, fazendo referência aos comentários do magistrado enquanto juiz do Supremo Tribunal Federal, algo que para muitos da magistratura que defendem um posicionamento mais discreto dos juízes, também é alvo de críticas.

Na visão do ex-procurador, tais comportamentos “sugerem uma atuação política do ministro”. Deltan disse que Gilmar “dá entrevistas sobre temas em julgamento no STF, o que viola a lei da magistratura”.

“Recentemente, a cada semana, mais e mais casos de corrupção têm sido anulados pelo Supremo. São casos que seguiram as regras do jogo, mas o STF mudou as regras e aplicou para o passado”, disparou Dallagnol, já fazendo uma crítica também aos demais ministros.

“É como se um juiz mudasse as regras antes de apitar o final da partida para anular gols e mudar o resultado do jogo”, disse Deltan Dallagnol. “Ficou cada vez mais evidente que, hoje, a arena para o combate à corrupção é a arena política, dentro do Congresso Nacional, e não mais na Justiça”, completou.

Pré-candidato pelo Podemos, mesmo partido do ex-juiz Sérgio Moro, Dallagnol e o ex-ministro da Justiça foram alvos de críticas por parte de Gimar Mendes recentemente. O magistrado disse que a filiação partidária de ambos só confirmaria as intenções políticas dos mesmos.

Agora livre da Procuradoria, aparentemente Dallagnol está mais disposto a fazer críticas diretas aos ministros do STF. Embora ainda não tenha confirmado, o ex-agente federal poderá disputar uma vaga na Câmara dos Deputados em 2022.