Polícia Federal faz operação contra desvios em contratos de R$ 1,2 bilhão da Saúde

Enquanto a CPI da Pandemia se debruça em disse-me-disse sobre se houve ou não tentativa de superfaturamento na compra não realizada da vacina Covaxin, a Polícia Federal deflagrou hoje a Operação Reditus, segunda fase da Operação SOS, que visa apurar desvios de recursos em contratos que somam incríveis R$ 1,2 bilhão da saúde no Paraná.

Os investigadores apuram se houve crimes de organização criminosa e lavagem de dinheiro na contratação de Organizações Sociais para a gestão de hospitais públicos, bem como os de campanha, os quais tiveram a finalidade de atender em caráter emergencial vítimas do novo coronavírus.

Cerca de 400 agentes da PF, além de servidores da Receita Federal e da Controladoria-Geral da União (CGU), cumprem 95 mandados de busca e apreensão, 54 mandados de prisão temporária e 6 mandados de prisão preventiva, expedidos pela 4ª Vara Federal Criminal, nos estados do Pará, São Paulo, Goiás, Ceará, Amazonas, Rio de Janeiro, Espírito Santo e Mato Grosso, segundo a CNN.

Só em 2020, os agentes federais realizaram mais de 70 operações semelhantes. O fato da CPI da Pandemia não ter tratado ainda nenhum desses assuntos e já ter previsão de encerramento é um dos motivos de maior crítica ao senadores que lideram a comissão, como Renan Calheiros, Omar Aziz e Randolfe Rodrigues.