Comandantes das Forças Armadas acreditam que urnas dão margem para fraude eleitoral

Em meio a disputa de argumentos entre o presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, e integrantes do Supremo Tribunal Federal (STF), incluindo o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), sobre a segurança das urnas eletrônicas no Brasil, uma ala de extrema importância parece já ter uma posição definida sobre o assunto: a dos militares!

Os Agentes Federais já havia noticiado o fato de que alguns generais da ativa já haviam manifestado apoio à visão do presidente Bolsonaro sobre a necessidade de implementação do voto impresso auditável (veja aqui), mas dessa vez a posição externada é dos próprios comandantes do Exército, Marinha e da Aeronáutica, bem como do ministro da Defesa.

A informação foi divulgada pelo jornalista Ricardo Noblat em sua coluna para o portal Metrópoles. “Os comandantes do Exército, da Marinha e Aeronáutica, assim como o ministro Braga Netto, da Defesa, acreditam piamente que o voto eletrônico dá margem a fraudes”, afirma o colunista.

Se a informação procede, portanto, significa que o presidente da República possui respaldo dos militares para questionar a segurança das urnas eletrônicas em seu formato atual, o que pode dar forças ao Executivo para questionar um possível resultado nas eleições de 2022. E se isto acontecer, pode ser que o Brasil tenha graves problemas no ano que vem.

Generais apoiam discurso de Bolsonaro pelo voto impresso por temerem fraude, diz CNN