Polícia faz a maior apreensão de drogas da história do Brasil: 36,5 toneladas

A Polícia Militar Rodoviária realizou no final de semana a maior apreensão de drogas da história do Brasil. São 36,5 toneladas de droga, que foram tiradas de circulação pelos militares na MS-276, em Deodápolis. Um prejuízo de R$ 55 milhões para o crime organizado.

A droga estava em uma carreta bitrem, cor branca, com placas de Nova Andradina (MS), conduzida por um homem de 32 anos. O veículo foi abordado no final da manhã de sábado (10), durante uma fiscalização de rotina, dentro das ações da Operação Hórus, no distrito de Lagoa Bonita.

Durante vistorias, os policiais localizaram centenas de fardos de maconha em meio a carga de soja. Aos policiais o suspeito disse que carregou a carreta com soja em Rio Brilhante e que posteriormente levou o veículo até Ponta Porã, onde desconhecidos teriam substituído a carga por maconha.

“Mais uma vez nossas polícias na Fronteira atuando de forma eficaz e ostensiva. Este resultado significa mais investimentos em viaturas, armamentos e o oroncipal, nossos recursos humanos. Quero parabenizar nossos policiais pela atuação firme e determinada em nossas fronteiras”, disse o governador Reinaldo Azambuja.

A apreensão, é a maior já registrada na história do Brasil. A segunda maior apreensão registrada no país, de 33,3 toneladas de maconha, também aconteceu em Mato Grosso do Sul, em agosto do ano passado e foi feita pelo Departamento de Operações de Fronteira (DOF), em agosto do ano passado no município de Maracaju.

A apreensão de sábado foi comentada pelo Ministro da Justiça, Anderson Torres, que parabenizou a equipe da Polícia Militar Rodoviária e disse que “não há dúvidas que o trabalho integrado entre as policias é o melhor caminho para combater o crime organizado” e, também pelo presidente Jair Bolsonaro.

“Este é mais um prejuízo de dezenas de milhões de reais ao crime organizado, graças ao trabalho da Polícia Militar Rodoviária do estado”, escreveu Bolsonaro em suas redes sociais. Com: Governo Federal.