A caçada ao criminoso Lázaro Barbosa, de 32 anos, entra no oitavo dia consecutivo e com novas evidências. Apesar do grande efetivo policial, com mais de 200 agentes em sua perseguição utilizando carros, helicópteros, cavalos e cães, o sujeito conseguiu invadir mais uma propriedade na madrugada de hoje, onde se alimentou e continua foragido.

Investigadores da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) confirmaram a versão de que Lázaro teria ligações com uma seita satânica. Eles encontraram no local do crime de Cleonice Marques de Andrade, de 43 anos, assassinada por ele às margens de um rio, mechas cabelo cortadas e uma orelha arrancada, os quais teriam sido parte de um ritual de sacrifício humano.

Na residência onde Lázaro morava com a mãe, uma área rural da região conhecida como Girassole, e em outros dois esconderijos usados por ele durante a fuga, os agentes também localizaram símbolos ligados ao satanismo em uma espécie de altar. Eles acharam tigelas de barro, dinheiro, cachaça, pentagramas desenhados no chão e uma cruz invertida.

Em uma entrevista exclusiva ao Correio Braziliense, o pai do criminoso, o qual não foi criado por ele por ter se separado da mãe enquanto ele ainda era criança, disse que o filho seria um “monstro da pior espécie” e que estaria “possuído” pelo demônio.

“Esse monstro, eu registrei, mas quando as pessoas falam ‘o seu filho’, aquilo me estremece todo. Não dá vontade nem de ficar mais na Terra. Eu estou arrasado. Se eu vê-lo por aí, eu nem conheço mais”, afirmou Edenaldo Barbosa Magalhães, de 57 anos. Veja as cenas abaixo encontradas pela Polícia nos locais onde Lázaro vivia, segundo o Metrópoles.

altar

altar

altar

altar