Polícia Federal “vai chegar até os mandantes”, diz Bolsonaro sobre facada de Adélio

O presidente Jair Bolsonaro voltou a falar do atentado que sofreu em Juiz de Fora, em Minas Gerais, no ano de 2018, quando foi esfaqueado no abdômen durante um ato de campanha para a presidência da República.

Segundo o presidente, a Polícia Federal ainda estaria atuando no caso, apesar da mesma já ter emitido relatórios apontando que Adélio Bispo, responsável pelo atentado, teria agido sozinho e sem a ajuda de ninguém. Bolsonaro, por outro lado, não está convencido disso.

“No meio do caminho, como era diferente dos demais, muito diferente, a campanha foi crescendo sozinha, depois, algumas pessoas chegaram, aconteceu aquela facada. Deram azar. Se Deus quiser, a nossa Polícia Federal vai chegar no final da linha de quem são os mandantes desse crime”, afirmou o presidente.

A declaração foi feita nesta sexta-feira (14) durante um evento em Mato Grosso do Sul. Ao falar isso, Bolsonaro dá a entender que investigadores da Polícia Federal ainda estão atuando no caso. Até o momento, dois inquéritos foram abertos para apurar a tentativa de homicídio do então candidato e ambos concluíram que Adélio teria agido sozinho.

Um dos inquéritos afirma que Adélio foi “o responsável pelo planejamento da ação criminosa e sua execução, não contando, a qualquer tempo, com o apoio de terceiros”. Aliados do presidente e o próprio Bolsonaro não se convenceram dessa conclusão.

Fatos que se seguiram logo após o atentado, como o amplo suporte jurídico de ponta e gratuito oferecido por advogados renomados e a não quebra de sigilo dos celulares dos mesmos, corroboraram para a desconfiança acerca de possíveis mandantes do atentado.

Bolsonaro fala do Exército e diz que já deu recado: “Daqui para frente, eu vou agir”