“A Polícia Federal mentiu, porque tinham que me tirar da disputa eleitoral”, diz Lula

Condenado por corrupção e lavagem de dinheiro em 2018 no âmbito da operação Lava Jato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva comemorou a decisão da maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal de manter a anulação das suas condenações em Curitiba, no Paraná, criticando os agentes da Polícia Federal.

Para o ex-presidiário, não só o ex-juiz Sérgio Moro, como também procuradores da República e a Polícia Federal teria atuado de forma politizada, a fim de lhe retirar da disputa presidencial em 2018.

“Foi uma mentira muito grande, mas meus advogados provaram que era uma farsa. O juiz mentiu, os procuradores mentiram, a Polícia Federal mentiu, porque tinham que me tirar da disputa eleitoral. Mas estou pronto para a briga”, afirmou Lula, segundo o UOL.

Lula disse ainda que poderá se candidatar em 2022, apesar da idade já avançada, que atualmente é de 75 anos, mas apenas se for necessário, visto que também considera a possibilidade de indicar outro nome capaz de representar a esquerda no país.

“Tenho boa saúde, mas não tem, obrigatoriamente, que ser eu. Podemos escolher alguém que possa representar os setores progressistas do Brasil”, disse ele. Para o petista, o atual governo é “genocida” e “fascista”.

Ao se referir ao presidente da República, o ex-presidiário disse que se trata de “um fascista que se chama Bolsonaro, um genocida, por ser o maior responsável pelo caos na pandemia”.