Bolsonaro pede à Polícia Federal que reabra a investigação do caso Adélio Bispo

Desde quando teve início a investigação sobre o caso Adélio Bispo, o sujeito responsável pela tentativa de assassinato contra o então candidato à presidência da República, Jair Messias Bolsonaro, a história permaneceu repleta de mistério e informações conflituosas.

Diante disso, mesmo com relatórios da Polícia Federal alegando que os investigadores não teriam encontrado evidências de que Adélio atuou com a ajuda de terceiros, ou a mando de outras pessoas, apoiadores do presidente e o próprio Bolsonaro não se deram por convencidos deste fato.

Assim, Bolsonaro resolveu pedir a reabertura do caso, e isto após a nomeação do novo diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino, na semana passada em Brasília, segundo informações da CNN Brasil.

Na conversa, segundo relatos, o presidente disse ao novo diretor-geral da PF que ele teria liberdade de atuação, mas fez um pedido: que descobrisse quem quis matá-lo. Uma das questões polêmicas envolvidas no processo diz respeito ao acesso dos investigadores aos celulares dos advogados que defenderam Adélio.

Até hoje a Polícia Federal aguarda decisão do Supremo Tribunal de Justiça sobre o acesso aos celulares. Procurados, a Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto e a assessoria de imprensa do Ministério da Justiça não se manifestaram. A PF não se manifestou.