“Não muda nada, apenas afinidades”, diz Capitão do Exército após troca de comandantes

Formado em engenharia (IME), direito (UFRJ), mestre em engenharia nuclear (IME), doutor em economia (UFF) e Capitão Exército da AMAN, além de teólogo e escritor, Rubens Teixeira comentou a troca dos comandantes das Forças Armadas anunciada esta terça-feira pelo Governo Bolsonaro.

Para o militar multiprofissional, a reforma na cúpula das Forças é prerrogativa constitucional do presidente da República e nada tem a ver com interferência política, mas sim com afinidade pessoal entre as lideranças.

“Entrarão novos três, igualmente generais, que continuarão o trabalho das Instituições de Estado. Na prática, não muda nada, apenas afinidades pessoais que não interferirão na missão”, afirmou Teixeira em sua rede social.

“A Constituição da República, as Leis, a formação dos comandantes e da tropa, o código de ética, o respeito ao povo e às suas escolhas, nada muda”, completou Teixeira, que vem de família de militares e possui profundo conhecimento na área.

Para ele, rumores de que Bolsonaro estaria planejando interferir politicamente no Comando das Forças Armadas, especialmente no Exército, não procedem.

“O Presidente pode trocá-los, é seu direito como chefe de governo. Só não pode mudar o que é questão de Estado estabelecida na Carta Magna. Vamos orar pelo Brasil. Vamos superar todas as crises, com a Graça de Deus!”, concluiu o Capitão.