Felipe Neto é intimado pela Polícia Civil por suposto “crime de segurança nacional”

O youtuber Felipe Neto, alvo de várias polêmicas nas redes sociais envolvendo o seu nome e oposição ao governo federal, recebeu nesta segunda-feira (15) uma intimação da Polícia Civil do Rio de Janeiro para comparecer à Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática.

Segundo informações do próprio Felipe, ele está sendo acusado de crime contra a “segurança nacional”. A intimação teria sido uma reação do filho do presidente, Carlos Bolsonaro, após o youtuber chamar Bolsonaro de “genocida” nas redes sociais.

A própria Polícia Civil confirmou em nota que a ação contra Neto foi protocolada por Carlos Bolsonaro (Republicanos – RJ), que é vereador no Rio de Janeiro. “Um carro da polícia acaba de vir na minha casa”, informou Felipe.

“Trouxeram intimação para que eu compareça e responda por crime contra segurança nacional porque chamei Jair Bolsonaro de genocida. Carlos Bolsonaro foi no mesmo delegado que me indiciou por corrupção de menores. Sim, é isso mesmo”, disse Felipe.

Além de Felipe Neto, Carlos também abriu uma queixa-crime contra a atriz Bruna Marquezine, que também teria difamado o presidente Bolsonaro nas redes. Segundo a legislação brasileira, difamações contra a honra do presidente da República podem ser passíveis de punição.

Para Felipe Neto, no entanto, a reação trata-se de uma tentativa de “silenciamento” e “intimidação” contra as críticas ao líder do Executivo.

“A clara tentativa de silenciamento se dá pela intimidação. Eles querem que eu tenha medo, que eu tema o poder dos governantes. Já disse e repito: um governo deve temer seu povo, NUNCA o contrário. Carlos Bolsonaro, você não me assusta com seu autoritarismo. Não vai me calar”, afirmou Felipe.